A CVC Capital Partners está em negociações exclusivas para uma participação de 1,5 bilhões de euros na nova empresa comercial da Liga Francesa de Futebol Profissional (LFP). 

O negócio avaliaria a empresa, que tratará da venda dos direitos de transmissão para a primeira divisão da Ligue 1, em 11,5 bilhões de euros. 

A CVC foi uma das várias empresas que alegadamente prepararam ofertas para o veículo comercial da LFP, se juntando a empresas como Hellman & Friedman, Oaktree Capital e Silver Lake. Em dezembro, mais de dez grupos de private equity haviam supostamente apresentado manifestações de interesse em adquirir uma participação na empresa. 

O Financial Times informou no mês passado que o LFP havia reduzido o grupo de potenciais investidores, a quem foi dado um prazo até 9 de março para apresentar ofertas. 

Em uma declaração, a LFP disse que após uma revisão detalhada das propostas, sua diretoria havia decidido por unanimidade entrar em negociações exclusivas com a CVC. 

A LFP acrescentou que um anúncio formal do acordo será anunciado nas próximas semanas. 

Mais detalhes sobre o investimento da CVC ainda permanecem escassos. No entanto, no mês passado, relatórios na França declararam que o acordo seria reformulado na alocação da renda dos direitos de transmissão. 

Clubes chegam a um acordo sobre a distribuição dos fundos 

A LFP anunciou que os 20 clubes da primeira divisão da Ligue 1 chegaram a um acordo sobre a distribuição dos fundos do investimento proposto pela CVC Capital Partners em sua nova subsidiária comercial. 

Foi realizada uma reunião na última quinta-feira para validar os critérios para a distribuição da renda gerada pelo investimento da CVC. Os clubes também concordaram por unanimidade na distribuição das receitas recorrentes geradas nas próximas 10 temporadas em termos de direitos audiovisuais domésticos e comerciais, assim como direitos audiovisuais internacionais e direitos digitais. 

A LFP não revelou detalhes específicos sobre como os fundos seriam distribuídos, mas o jornal francês L’Équipe e a agência de notícias AFP informaram ambos que o Paris Saint-Germain receberia 200 milhões de euros da soma de 1,5 bilhões de euros. 

Olympique de Marseille, Olympique Lyonnais, OGC Nice, Lille, Stade Rennais e AS Monaco – receberiam pelo menos 80 milhões de euros, sendo que o Olympique de Marseille e Lyon receberiam 90 milhões de euros. Os 13 clubes restantes receberiam 33 milhões de euros cada um. 

Outros 100 milhões de euros seriam colocados em um fundo de reserva, com 100 milhões de euros a serem alocados para custos operacionais e 170 milhões de euros a serem reservados como reembolso para o empréstimo estatal PGE, que foi usado para apoiar os clubes franceses durante a pandemia de Covid-19. 

Para a CVC, o acordo continuaria sua caminhada rumo ao futebol europeu. Em dezembro, foi aprovado o investimento de 2 bilhões de euros da empresa para uma participação de 8,2% em uma nova empresa que administra os ativos de patrocínio e direitos de transmissão da LaLiga. A Federação Espanhola de Futebol (RFEF), Barcelona, Real Madrid e Athletic Bilbao estão buscando dissolver o acordo.  

Em novembro de 2020, a CVC também estava a ponto de assumir uma participação de 10% no negócio dos novos direitos de transmissão da Série A do futebol italiano. A empresa também estava ligada a um investimento no negócio de direitos de transmissão internacional da Liga Alemã de Futebol (DFL), embora os times optassem por encerrar as discussões.