Em 2015, a FIFA viveu o maior escândalo criminoso já visto no Futebol, que envolvia diversos oficiais da associação, além de executivos de outras instituições internacionais de governança do esporte e outras empresas da indústria. O acontecimento marcou a queda de Sepp Blater e levou à eleição de Gianni Infantino, que transformou a organização durante os seis anos que esteve no poder.

O Departamento de Justiça norte-americano recuperou mais de 1 bilhão de reais de contas bancárias de ex-oficias da FIFA, condenados pelo escândalo de corrupção de 2015, e distribuirá esses fundos entre a própria FIFA, Concacaf e Conmebol.

O valor será investido em projetos de futebol que tenham impacto positivo na sociedade. A divisão e alocação dos fundos entre as organizações será definida por um board independente.

A recuperação e distribuição do dinheiro mostra como a FIFA redesenhou sua cultura e imagem, deixando para trás a fama de organização desprezada.