Os atletas americanos participarão dos Jogos de Inverno de Pequim 2022. A China tinha dito anteriormente que tomaria “contramedidas firmes” em resposta a qualquer forma de boicote. 

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, confirmou ontem a iniciativa numa conferência de imprensa, usando uma linguagem forte e afirmando que o boicote americano aos Jogos de Inverno era um protesto contra o “genocídio e crimes contra a humanidade em curso na China em Xinjiang e outras violações dos direitos humanos”. 

A China tem negado constantemente as violações dos direitos humanos reivindicadas pelos Estados Unidos, incluindo os alegados abusos contra a sua população muçulmana Uyghur, na província de Xinjiang. 

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian, solicitou aos EUA que “se abstenham de politizar o esporte” e advertiu que um boicote poderia “afetar o diálogo e a cooperação entre a China e os Estados Unidos em áreas importantes”. 

O Comitê Olímpico e o Paraolímpico dos EUA divulgaram uma declaração, após o anúncio do boicote, reiterando o seu entusiasmo em participar dos Jogos de Inverno. A chefe executiva Sarah Hirshland disse que a equipe estava “entusiasmada e pronta para deixar a nação orgulhosa”, acrescentando: “Apreciamos muito o apoio inabalável do Presidente e da sua administração”. 

Ainda não está claro se os aliados dos EUA seguirão o exemplo, não enviando funcionários a Pequim em 2022. A Austrália e o Reino Unido também informaram no mês passado, que estavam propensos a realizar boicotes diplomáticos. 

A Reuters informou que o Presidente russo Vladimir Putin é o único líder de uma grande nação a ter aceitado até agora um convite da China para participar dos Jogos. 

Devido à pandemia, os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 este ano foi também um assunto diplomático em escala reduzida, com os poucos participantes notáveis, dentre esses poucos presentes estão o Presidente francês Emmanuel Macron e a Primeira-Dama dos EUA, Jill Biden.  

Alguns políticos norte-americanos têm insistido num boicote diplomático ou num boicote de atletas a Pequim 2022, ao longo deste ano, uma vez que as tensões com a China têm aumentado, por causa de uma série de questões. Alguns grupos de direitos humanos têm apoiado os apelos ao boicote. 

O boicote dos EUA levanta uma questão sobre se a China poderia retaliar nos próximos Jogos Olímpicos de Verão em 2028, acolhida pelos Estados Unidos, em Los Angeles.