O presidente do Barcelona, Joan Laporta, espera trazer 50 milhões de euros através da venda de uma participação minoritária no Barça Studios, determinando, igualmente, o comprador a investir outros 50 milhões de euros no hub de produção do clube, totalizando um investimento de 100 milhões de euros.

O Barcelona anunciou o lançamento de seu núcleo de produção interna em janeiro de 2019, que agora é responsável pela criação, produção e distribuição de todo o conteúdo audiovisual do clube na La Liga. Entre os projetos anunciados estava uma série dramática fictícia para adolescentes baseada na academia La Masia do clube.

Desde então, em dezembro de 2020, a 2Playbook destacou que o Barça Studios estava gerando mais de 30 milhões de euros de receita.

No entanto, com a dívida do clube girando em torno de 1,35 bilhões de euros, o Barça Studios foi identificado como uma das várias divisões das quais a equipe catalã pode levantar fundos. Mesmo antes do atual presidente Laporta, a 2Playbook informou que o ex-presidente Josep Maria Bartomeu pretendia arrecadar 100 milhões de euros através da venda de uma participação de 49% no Barça Studios.

A proposta de Bartomeu fazia parte dos planos de vender uma participação na Barça Corporate, uma empresa subsidiária que, assim como a Barça Studios, abriga o projeto Barça Academy, Barça Innovation Hub e Barça Licensing and Merchandising.

Em abril, o jornal espanhol El Confidencial noticiou que o grupo de investimento europeu Investindustrial fez uma oferta de 200 milhões de euros para adquirir 49% da Barça Corporate.

A 2Playbook também relatou que o investimento valia até 400 milhões de euros. Acrescentou que os quatro concorrentes eram as empresas de capital privado Blackstone, Abry Partners e Artos, bem como um consórcio que apresentava Investindustrial, Elysian e Fanatics. Laporta supostamente cancelou este acordo, com a 2Playbook dizendo que achava a proposta ‘pouco atraente’.

Se um acordo para o Barça Studios for aprovado desta vez, além dos benefícios a curto prazo de qualquer investimento, um parceiro do setor de comunicação permitiria à produtora desenvolver, acelerar e comercializar melhor seu conteúdo.

É o último movimento de Joan Laporta para recuperar a saúde financeira do Barcelona. Além de sua dívida, o clube registrou um prejuízo de 481 milhões de euros, para o ano fiscal de 2020/21. A receita foi de 631 milhões de euros, uma queda anual de 26% e bem abaixo dos 828 milhões de euros estabelecidos no orçamento.