A Fórmula E ampliou seus acordos de transmissão gratuita em vários mercados-chave, incluindo o Reino Unido, outros territórios europeus e a América do Sul para sua sétima temporada. A estratégia atualizada viu o campeonato alcançar níveis de audiência pré Covid-19, apesar de um calendário mais curto e sem corridas na Ásia.

Esses acordos de transmissão gratuita ajudaram a Fórmula E a registrar um aumento de 26% no número de espectadores ao vivo durante as corridas. Ao final da sétima temporada, o público das corridas ao vivo atingiu 62% do total da série pela primeira vez em sua história.

Os benefícios da distribuição de transmissão gratuita foram melhor vistos na Alemanha, onde a cobertura do Sat 1 trouxe um aumento de 338% no número de espectadores em comparação com a temporada 2019/20. No Reino Unido – onde as corridas foram transmitidas pelas emissoras Channel 4, BBC2 e Discovery-owned Quest – o público cresceu 156% em comparação com a temporada 2019/20.

A Itália também foi um mercado em crescimento para os espectadores da Fórmula E em 128% no mesmo período em que a Italia Uno e a Sky Italia compartilharam a cobertura, enquanto a França viu um aumento de 123 por cento após uma nova parceria de transmissão com a L’Equipe.

Na América do Sul, o público brasileiro cresceu 286% nos canais da TV Cultura, na rede Globo e SporTV.

Além disso, a audiência nos EUA cresceu 25% na CBS e 147% na Indonésia, após um acordo com a emissora de transmissão gratuita TVRI.

“Este foi um ano recorde para a Fórmula E, pois trabalhamos com nossas equipes, parceiros de mídia e patrocinadores para oferecer uma estratégia de “fan-first”, enfatizando o desenvolvimento de audiências ao vivo e o envolvimento direto em nossas plataformas digitais”, disse Jamie Reigle, executivo chefe da Fórmula E.