Os clubes da Premier League estão pedindo para que a liga crie um fundo de empréstimos entre US$ 1,36 bilhões e US$ 2,04 bilhões, para que os clubes possam pedir dinheiro emprestado a taxas mais baratas do que as obtidas com bancos e fundos de investimentos.

Os clubes têm se apoiado em bancos como o Macquarie e Close Brothers para cumprir obrigações de curto prazo.

Os clubes utilizam “acordos de fatorização” nos quais tomam emprestado contra a receita esperada, como o pagamento de taxas de transferência.

Equipes com bases de fãs menores tipicamente têm menos receita e estão em maior risco ou despromoção, e assim têm que tomar empréstimos a taxas elevadas. Os clubes ingleses fora da Premier League geralmente dependem de empréstimos em condições favoráveis de seus proprietários.

Em março, a MSD Partners, iniciada pelo fundador da Dell Computer, Michael Dell, emprestou $163,8 milhões ao West Ham United com juros de 9%, e $107,8 milhões ao Southampton com juros de 9,14%.

Os clubes da Premier League perderam coletivamente cerca de US$ 2,73 bilhões durante a pandemia e tinham quase US$ 5,4 bilhões em dívida líquida no final da temporada 2019-2020.

Os negócios de comunicação da liga com a Sky Sports, BT Sport, BBC Sport e Amazon valem aproximadamente 7 bilhões de dólares no total e vão até 2025.