A área de patrocínio no futebol é uma realidade há décadas, assim como em outros esportes. E um segmento no qual muitos profissionais de marketing e publicidade desejam trabalhar. Mas sempre tem uma dúvida pairando no ramo: se uma empresa apoia um clube, ela corre risco de ser rejeitada pelos torcedores dos rivais?

Esse é um tema recorrente desde a faculdade e que segue sendo debatido no mercado, com uma preocupação legítima de que um acordo de patrocínio possa acabar sendo prejudicial à imagem e ao desempenho da empresa na sua área de atuação.

Pesquisa do IBOPE sobre patrocínio no futebol

No entanto, um estudo feito pelo IBOPE Repucom mostra que não é preciso se preocupar. O número de pessoas que não adquirem produtos de determinadas marcas só porque elas são patrocinadoras de clubes rivais é bem menor do que muita gente imagina.

O levantamento mapeia os hábitos de consumo, preferências e comportamentos do torcedor brasileiro, com um universo de cerca de 80 milhões de internautas. E desse total, somente 10% não comprariam itens de empresas patrocinadoras de outros clubes. Ou seja, um a cada 10 consumidores.

Outro dado interessante do estudo mostra que pode, sim, valer a pena investir no patrocínio esportivo. A pesquisa aponta que 60% dos entrevistados disseram estar mais inclinados a adquirirem itens de quem investe no esporte.

Claro, não é simples patrocinar. É preciso fazer um planejamento detalhado, traçar metas e realizar ativações que ajudem a aumentar o awareness da marca junto ao público-alvo. No entanto, se o trabalho for bem feito, é bem provável que os resultados sejam positivos.

Estudo da Golden Goal

Quer entender mais sobre o assunto? Confira o especial “Por Que Patrocinar?”, da Golden Goal