A Fórmula 1 chegará a Miami no primeiro fim de semana de maio, juntamente com centenas de milhares de pessoas. De acordo com o Front Office Sports, foram relatados cerca de 250 mil pedidos de ingressos para o Grande Prêmio de Miami no entorno do Hard Rock Stadium, estádio da equipe de futebol americano da NFL Miami Dolphins, que tem capacidade apenas para 80 mil pessoas. A estimativa é de que aproximadamente 300 mil turistas cheguem à cidade no fim de semana, independentemente de prestigiarem ou não a corrida ou os testes anteriores do primeiro GP de Miami. 

O GP de Miami acontece entre os próximos dias 6 e 8 de maio e a corrida de domingo começa às 16h30 (horário de Brasília). Os ingressos para todos os dias do circuito foram inicialmente vendidos por preços a partir de US$ 1.000, com ingressos para apenas um dia perto de US$ 600. A plataforma americana de revenda SeatGeek registrou um preço médio de US$ 2.414 para a corrida, com os ingressos chegando a US$ 33.704 na última quarta-feira. 

Os organizadores do evento estimam que o evento trará um impacto econômico anual de US$ 400 milhões para a cidade de Miami Gardens, incluindo 35 mil reservas de hotéis e 4 mil novos empregos. O condado de Broward, ao norte de Miami Gardens, espera US$ 50 milhões em atividade econômica. Além disso, empresas de todos os tipos estão migrando para a área. A corretora de criptomoedas FTX está promovendo um festival de shows de três dias em Miami Beach, junto com a Mercedes-AMG Petronas e a IWC Schaffhausen. 

A alta demanda tem surpreendido até profissionais experientes no mundo do automobilismo, como o empresário Zak Brown, CEO da McLaren Racing. Em entrevista à agência de notícias britânica Reuters, Brown declarou que o evento está “rivalizando” com o Super Bowl. “Estou na Fórmula 1 há 20 anos e estou acostumado com as provas, mas nunca vi nada parecido”, afirmou o dirigente americano.  

Insatisfação dos moradores 

Apesar de toda a movimentação econômica e turística que o GP de Miami está atraindo, o evento não está agradando as pessoas que residem próximo ao Hard Rock Stadium, onde o circuito de rua está sendo montado. No dia 20 de abril, os moradores locais entraram com um último recurso pedindo o cancelamento do GP, alegando preocupações com o barulho excessivo. Porém, até o momento, a realização da corrida está garantida e tudo indica que não haverá mudanças quanto a isso. 

A suspensão da corrida até poderia acontecer, mas de acordo com o juiz do Tribunal do Circuito de Miami-Dade, Alan Fine, seriam necessárias evidências contundentes de que os moradores “sofreriam ferimentos reais” resultantes da corrida, com danos potenciais “inevitáveis”. Para os advogados do Miami Dolphins, o pedido dos moradores se trata de “uma emergência de sua própria autoria”, uma vez que 95% dos preparativos do GP de Miami já estão concluídos e uma extensa mitigação de ruídos sonoros foi instalada no local.