Nos amistosos da Seleção Brasileira contra Catar (05/06) e Honduras (09/06), a CBF irá promover a gestão de recicláveis nos estádios Mané Garrincha, em Brasília (DF), e no Beira-Rio, em Porto Alegre (RS), respectivamente. A expectativa da entidade é de coletar e reaproveitar cerca de 20 toneladas de resíduos nas duas partidas.

A Seleção Brasileira se prepara para a disputa da 46ª edição da Copa América, entre 14 de junho e 7 de julho, no Brasil.

Cooperativas de catadores acionadas para gestão de recicláveis

De acordo com a CBF, a iniciativa de gestão de recicláveisestá alinhada com a política nacional de resíduos sólidos. É feita ainda uma inclusão sócio-produtiva com a utilização de catadores locais.

Para os amistosos em Brasília e Porto Alegre, cerca de 25 cooperativas das duas cidades devem ser envolvidas. Com 142 catadores participantes nos dois jogos.

A ação procura amenizar o impacto ambiental dos resíduos. Evitando gastos desnecessários com água, energia, carbono e papel. Além disso, dá o destino correto aos recicláveis.

Renda revertida para os catadores

Segundo a entidade, cada catador receberá luvas de proteção (EPI), uniforme, ajuda de custo para transporte, lanche e uma diária, além de ficar com todo o material recolhido como doação. Os resíduos serão separados, pesados e vendidos. E toda a renda será revertida para os catadores.

Serão espalhadas lixeiras específicas para recicláveis pelos dois estádios. Incluindo arquibancadas, vestiários das delegações, corredores e os bancos de reservas.

Trabalho iniciado nas Eliminatórias da Copa de 2018

A ação nos amistosos diante de Catar e Honduras dá sequência a um trabalho já realizado nas Eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia em 2018. No último duelo da Seleção Brasileira em casa pela competição, contra o Chile, no Allianz Parque, em São Paulo (SP), 55 catadores coletaram cerca de dez toneladas de material reciclável.