Realizado em colaboração com a Impulse Network, uma iniciativa estudantil da Universidade de St Gallen, o “The Collective Think Tank” de Wasserman entrevistou 1.749 pessoas em todo o Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Polônia, Rússia e Suíça para produzir o estudo. 

A pesquisa de Wasserman sugeriu que o futebol feminino precisa criar as mesmas relações que estão presentes no jogo masculino, se quiser impulsionar o ecossistema de base e profissional. O “The Collective Think Tank” descobriu que as fãs femininas que praticam o esporte têm maior probabilidade de consumir conteúdo de futebol (64%) em comparação com as fãs femininas que raramente jogam (6%). 

Positivamente a esse respeito, a participação feminina de base está tendendo na direção certa, uma vez que o estudo mostrou um aumento de 16% nas torcedoras femininas que jogam ativamente o jogo durante a pandemia. Das mulheres que normalmente não estavam interessadas no futebol, 19% jogaram mais durante a Covid-19, de acordo com o estudo. Comparativamente, houve apenas um aumento de 15% nos torcedores masculinos que jogavam o jogo. 

Entretanto, as descobertas de Wasserman também mostraram que as jogadoras estão desistindo do futebol em pontos-chave, sendo as razões mais comuns citadas para deixar o jogo para trás os compromissos escolares e de trabalho (48%), e as razões de saúde (22%). Além disso, 41% das jogadoras de lazer se encontram como a única mulher em seu time. 

Wasserman disse que os resultados mostram o potencial do esporte para parceiros, patrocinadores e marcas “para explorar um mercado comercialmente valioso”, o que “beneficiaria o jogo como um todo”.  

Ebru Koksal, da Associação de Futebolistas Profissionais, e presidente da Women in Football, disse: “Quando as mulheres param de jogar futebol, muitas vezes elas também param de ver futebol. Precisamos remover as barreiras à sua participação a fim de impedir que as mulheres se afastem completamente do jogo”. 

Com relação às oportunidades de assistir ao futebol feminino, uma série de acordos de transmissão de referência foram firmados este ano, com o objetivo de aumentar o alcance do jogo. A Super Liga Feminina do futebol inglês está atualmente na primeira temporada de seu acordo de três anos com a BBC e a Sky Sports, que tem visto a competição apresentar fortes índices de audiência. Em setembro, o Telegraph informou que a partida da entre Everton e Manchester City pela competição atraiu uma audiência máxima de 800.000 espectadores na BBC One, tornando-a a partida de futebol de clube feminino mais assistida da televisão britânica. 

Além disso, o contrato de direitos da DAZN para a Uefa Women’s Champions League inclui uma parceria de distribuição com o YouTube que garante que os jogos do torneio de futebol de clubes femininos europeus estejam disponíveis ao vivo e de graça para os usuários em todo o mundo.