Se você tivesse um grande projeto, mas precisasse de patrocínio, como faria para buscar investimento? E se fosse responsável pela verba de marketing de uma empresa, mas não soubesse onde investir? O Clube do Patrocínio nasce para adereçar essas duas questões. Por isso, ganhou o apelido de “Tinder” das Leis de Incentivo no Brasil. O objetivo é proporcionar um “match” entre proponentes e patrocinadores.

Criado há pouco mais de um ano pela Golden Goal, empresa do grupo SISU, o site é um sucesso. Com empresas como Santander, Itaú, Tim e Coca-Cola entre as que já aderiram, o Clube do Patrocínio já recebeu mais de 100 mil cadastros de projetos. Ele, então, encaminha essas sugestões para possíveis marcas que estejam interessadas. Baseando-se em um algoritmo que faz o processo automaticamente, de acordo com as preferências de cada um.

O Sport Insider conversou com Sadi Neto, um dos gestores do programa. Ele falou sobre a dinâmica e divulgou alguns números do Clube do Patrocínio.

Sadi Neto
Há quanto tempo existe o Clube do Patrocínio, quantos projetos e empresas estão cadastrados e quantos já saíram do papel?

O Clube do Patrocínio foi lançado oficialmente em 10 de maio de 2018. Porém, era um projeto que começou a ser estruturado aproximadamente um ano antes. E contou com uma fase beta somente para empresas e proponente convidados, que foi lançada 60 dias antes data de lançamento oficial. Hoje temos:

  • 42 Patrocinadores (Apenas grandes empresas, como: Santander, Itaú, Riachuelo, Oi, Tim, BRF, Coca-Cola, Estácio, etc)
  • 49.734 Proponentes
  • 108.659 Projetos (entre leis de incentivo e projetos de verba direta)
  • 41 Leis (Municipais, Estaduais e Federais)

Temos uma média de um patrocínio concluído a cada 20 dias, por termos focado em captação de projetos incentivados para grandes empresas no primeiro ano. Estamos falando de negociações que envolvem quantias importante de recursos e que possuem sazonalidades. O primeiro semestre como um todo representa um período de menor concentração de negócios neste segmento. E temos um ticket médio de mais de 120 mil reais por patrocínio.

Como surgiu a ideia do Clube do Patrocínio e como foi o desenvolvimento do projeto?

A ideia do Clube do Patrocínio surgiu em um grande fórum de inovação promovido pela Golden Goal para o ano de 2017. Após análises e estudos de viabilidade o projeto foi aprovado pela diretoria da empresa e conseguimos tirá-lo do papel. Hoje o Clube do Patrocínio é uma realidade. E se tornou referência de mercado, como a maior e mais completa plataforma sobre lei de incentivo do mundo.

Qual é a importância de uma ferramenta como essa para o mercado?

O Clube do Patrocínio tem uma grande relevância para o mercado. Não apenas por ser referência, mas também por fomentar o uso das leis de incentivo com uma visão 360º. A ferramenta ajuda aos proponentes a terem acesso a grandes empresas. Também auxilia as empresas a entenderem de forma desburocratizada as leis de incentivos. Leva de forma automática as melhores oportunidades para cada perfil. Além disso, tem um papel social uma vez que a grande maioria dos projetos visão o bem-estar da população atendida.

Ainda contamos com uma campanha de responsabilidade social permanente. Nela, a cada patrocínio fechado dentro da plataforma, realizamos doações de 100 kg de alimentos para um projeto cadastrado que ainda não tenha conseguido realizar a captação.

Conta um pouquinho de como funcionam os projetos incentivados e de quem pode participar do Clube do Patrocínio?

Projetos incentivados são aqueles projetos que buscam trazer algum bem social, geralmente pautados no esporte ou na cultura. Para um projeto ser incentivado, o proponente, autor do projeto, deve inscrever o projeto na secretaria competente e aguardar  a aprovação do mesmo. Existem três esferas nas quais um projeto incentivado pode ser inscrito (Municipal, Estadual e Federal), cada uma dessas esferas é vinculado a um tipo de imposto (ISS, ICMS e IR) respectivamente. Após aprovar o projeto, o proponente tem a missão de prospectar patrocínio e é ai que o Clube do Patrocínio entra, o projeto inscrito no Clube do Patrocínio passa a ter visibilidade junto às empresas que fazem parte da plataforma, o que aumente e muito a possiblidade de se obter patrocínio.

Já para as empresas, um das grandes dificuldade de se utilizar o benefício fiscal é que há mais de 40 leis de incentivo diferentes e cada uma delas tem suas particularidades. Ter uma plataforma onde possa encontrar todas as informações de forma concentrada e desburocratizada é um facilitador fundamental. No Clube do Patrocínio as empresas contam com manuais de leis explicando o passo-a-passo de como a empresa deve se beneficiar, também conta com uma calculadora que traz para o usuário uma noção clara de valores, além de todos os projetos aprovados em um único lugar.

Além do sistema, contamos com um time de consultores especialistas que atendem e auxiliam empresas e proponentes, tudo isso de graça! Pois o modelo de negócios do Clube do Patrocínio é baseado na captação de recursos, nos remuneramos com o sucesso das negociações, sendo comissionados com um percentual previsto em lei para o captador das negociações. Esse percentual varia de lei para lei, mas normalmente é em torno à 10%.

O site também tem notícias, manuais e outros recursos. Explica um pouco da importância disso e de como você vê o posicionamento das empresas com projetos incentivados atualmente?

A intenção principal é que o a plataforma seja a maior e mais confiável fonte de informações sobre leis de incentivo, abrangendo todos os stakeholders e o máximo de leis possíveis. A razão disso é porque leis de incentivo ainda são recursos sub-explorados pelas empresas. 90% das empresas não usam na totalidade seus benefícios fiscais e todos os anos uma boa parte de projetos aprovados não conseguem captar, o que representa 1,5 bilhão de reais que poderiam ser utilizados em projetos, mas não são. Neste cenário, buscamos entender os motivos para esse descasamento e encontramos diversas causas:

  • Dificuldade das empresas entenderem o funcionamento das leis;
  • Dificuldade das empresas em encontrarem projetos relevantes;
  • Dificuldade dos proponentes saberem o que as empresas procuram como projetos para patrocinar;
  • Dificuldade dos  proponentes terem acesso às grandes empresas para apresentarem seus projetos

Com todos esse pontos, a ideia é que o Clube do Patrocínio não fosse apenas um match maker, mas também uma fonte clara e simples de informações para que os negócios pudessem acontecer.

A definição “Tinder do Mercado Esportivo” agrada? É uma boa forma de definir o Clube do Patrocínio?

É uma definição interessante, pois ajuda a popularizar o entendimento da plataforma que em um primeiro momento, já que lei de incentivo e estratégias de patrocínios são temas que podem parecer complexos.

Sobre ser uma boa forma de definir o Clube do Patrocínio, acho que é um pouco simplória pela quantidade de recursos que provemos, mas como eu disse, tem a vantagem de simplificar o entendimento inicial e despertar a curiosidade para introduzir o assunto.

Quais são as expectativas para o futuro do Clube do Patrocínio? Ainda há muito espaço para crescer?

As expectativas para o segundo ano são as melhores possíveis, pois  a cada dia que passa estamos mais consolidados. Além disso, em breve lançaremos os novos módulos de captação de pessoas físicas e crowdfunding, o que ampliará muito o volume de negócios feitos na plataforma. Essas novos funcionalidades poderão vir acompanhadas de páginas customizadas para campanhas, tornado a plataforma diferente para cada um dos projetos.

Ter o foco em inovação faz parte do DNA do Clube do Patrocínio, a ideia é constantemente oferecer novas soluções para os usuários.