A principal aposta do grupo farmacêutico Cimed para aumentar o seu faturamento até 2020 e o investimento no marketing esportivo. A empresa está ampliando sua plataforma de comunicação com uma meta ambiciosa para o próximo ano: faturar R$ 2 bilhões. De acordo com uma matéria da editoria de Economia do portal UOL, os valores de patrocínio esportivo, segundo a empresa, já alcançam um total de R$ 25 milhões por ano.

Parceria da Cimed com confederações

Atualmente, o grupo farmacêutico patrocina a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), em um contrato que vai até 2023. Tem um acordo com a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) até os Jogos Olímpicos de Tóquio, em julho de 2020. E desde janeiro deste ano patrocina também a Confederação Brasileira de Basquete (CBB).

Apoio ao automobilismo

Além disso, a empresa é dona da equipe Cimed Racing e é responsável pelo maior acordo de patrocínio do automobilismo brasileiro, com apoio a 15 pilotos de categorias como Stock Car, Fórmula Indy, Fórmula 4, Nascar, Fórmula Porsche e kart.

Foco nas experiências dos torcedores

“Queremos levar experiências para nossos clientes. E o esporte é onde conseguimos fazer a conexão entre os valores da empresa, como o trabalho em equipe, e nossa crença no brasileiro”, disse Lucas Frias, gerente de Marketing da companhia.

De acordo com o gerente, o grande foco do marketing esportivo da Cimed é proporcionar experiências que o dinheiro não pode comprar. Na Copa do Mundo de 2018, por exemplo, o grupo levou mais de cem pessoas à Rússia. Entre revendedores e clientes.

“Podemos colocar nossos clientes dentro do ônibus que leva a Seleção Brasileira ao estádio”, exemplificou o gerente.

Sobre a Cimed

Dona do antigripal Cimegripe e dos multivitamínicos Lavitan, a empresa é líder no mercado de medicamentos que não precisam de receita médica no Brasil. E fechou 2018 com uma receita líquida de R$ 1,3 bilhão.

Com esse resultado financeiro, consolidou a quarta posição do ranking nacional das maiores farmacêuticas. Atrás de EMS, Hypera Pharma e Sanofi. A estimativa do grupo é alcançar um faturamento de R$ 1,6 bilhão em 2019.